18 de ago de 2012

Questiono-me



Só porque a coragem de demonstrar o que eu senti demora a chegar, não quer dizer que você foi a ultima opção.


      Quem nunca teve uma dúvida que fez o coração pesar uma tonelada? Os lábios ficam secos, os pensamentos viram uma bagunça. Nada mais é certo, nada mais é concreto. Posso sorrir, permanecer imutável de forma serena por fora, mas dentro de mim os cacos estão tentando se juntar. Nada se encaixa, nada se completa enquanto aquele pequeno fragmento não aparecer. 

      Aquele pequenino pedaço de vidro, a menor lasca que se tem do vaso. É ele que faz com que essa bagunça seja fixa, essa duvida se mantenha presente. Todos os dias rostos falsamente amistosos, vozes forçadamente aveludadas com um olhar opaco e gestos frenéticos me procuram convencer do "óbvio". Mas se o "óbvio" para eles for um grande engano? Estou revivendo nosso passado, e relembrando todos os acontecimento e buscando respostas. Não sei se meu coração me força a acreditar em pseudo evidências ou se é a razão analisando os fatos. Temo que a realidade seja apenas uma ilusão, e enquanto isso o conflito instalado permanece. 


      Poderia jogar a culpa de toda essa história sem sentido em você e no seu 'eu' questionável. No seu 'eu' tão indeciso. Mas não posso, já que a culpa é minha. Eu joguei este vaso no chão e estou tentando remonta-lo sozinha. Embora quisesse gritar por sua ajuda, o receio é maior . Minha áurea está muito fraca, meus motivos estão sendo reprimidos enquanto busco respostas. Um dia minhas questões serão resolvidas e esse mistério se solucionará, mas isso somente quando amadurecer e começar a tomar decisões. 

      Enquanto isso esse jogo continua, onde ninguém demonstra nada ou onde ninguém sem importa com nada. Ganhar ou perder é uma questão de opinião.

Nenhum comentário:

Postar um comentário